De tradução do: Don't Change Your Language, Picture-Play, May 1921

Retornar ao Texto Original

 

 

 

NÃO TROQUE O SEU IDIOMA!

 

 

Conversando com Max Linder por Daphne Carson Webb.

 

   O simples facto de entrevistar um comediante francez veiu provar-me, entre outras cousas, que é bem differente o "francez" que nos ensinavam no collegio, do que se precisa aprender. Já o leitor está vendo por este preambulo em que apertos eu me vi para poder ter esta entrevista com o popular Max Linder, que só "conhece de vista" o meu idioma. O logar escolhido foi um pequeno restaurante nos arredores da Universal e os participantes do duello linguistico eram Max Linder, um agente de publicidade e eu.

   O homem da publicidade estava comnosco para o caso de ser preciso o seu auxilio como meu interprete com o mimo, ainda que, valha a verdade, elle julgasse ser a traducção le "pomme de terre" isto nem mais nem menos: "o que quer o senhor ter?"

   Max é homem de pequena estatura, olhos castanhos, brilhantes, de uma vivacidade que surprehende. O rosto é maravilhosamente expressivo e as mãos falam todos os idiomas do mundo, visto que, com seus movimentos, exprimem tudo o que os labios dizem. Está sempre attento e prompto, de palavra e de acção. Mimo de nascimento, tem um modo especial e amistoso de nos travar do braço em momentos de emphase do mais puro estylo continental. Seu aspecto é de elegancia sem ostentação, pés pequenos e saltos de militar, o que lhe dá mais uma ou duas pollegadas de altura. E' o idolo do povo francez como Carlito é o nosso; admira se de como os americanos o não conhecem melhor.

   Agora, é tempo de começar a entrevista, que é como quem diz a minha “via crucis"—

   — Oh! monsieur! Je suis tão contente de encontrar a vous!

   — Comment, mademoiselle? perguntou-lhe sorrindo.

   Desesperada, pedi uma ajudazinha ao interprete:

   — Como é que se diz em francez estou muito contente de o encontrar?

   — Essa é boa! Lá porque a senhorita não sabe, eu é que hei de saber?

   — Eu julguei que o senhor soubesse!... retorqui contrariada, e dirigindo-me a Max:

   — Diga-me, monsieur, quantos annos avez vous estado neste paiz?

   — Oh! mademoiselle! Je suis ici depuis — e disparou por ahi fóra numa algaraviada medonha, sem me dar tempo mais do que a pescar uma ou outra palavra desgarrada. Dizia-lhe que sim com a cabeça como fazem esses ursos mecanicos das creanças, para lhe dar a impressão de que o entendia. No fim, elle disse qualquer coisa que eu julguei ser a perguntar-me se o comprehendia e eu, já se vê, fui assentindo com a cabeça. Falou, então, com o "garçon", em francez, e vi apparecer, logo, um prato de ostras. Max perguntára-me, simplesmente, se eu queria ostras e como eu, sem o comprehender, dissera que sim, mandára servirm'os. Tive de as comer, é claro, mesmo sem vontade. Depois, elle foi falando mais pausado e creio que me disse haver estado na guerra, e, tambem, curado de feridas que recebeu, na Italia, em propaganda. Obtida a alta, veiu á America para fazer um film. Voltou á França, e outra vez aqui, onde contratou com Robertson Cole a distribuição de suas producções. Já entregou a primeira sob o titulo "Sete annos de "Urucubaca".

   O tal interprete deixava vagar nos labios um sorrisozinho por demais antipathico.

   Conforme pude, consegui acertar com a pergunta de ha quanto tempo trabalhava nos films.

   — Oh! mademoiselle! Eu sou como os senhores dizem por aqui pioneiro nos films. Principiei depuis diz-sept ans a Paris antes e cinematograph estava en l'Amérique.

   Pouco tardei em comprehender que elle trabalhava ha dezesete annos em Paris, muito antes que na America se occupassem do cinema.

   — Oh! mon Dieu! exclamei... Que enterresant!

   — Fiz a primeira, comprenez vous, a premier comedie que se fez, e faziamos então por dia uma comedia. Trabalhavamos das nove ás quatro.

   Discorreu um pouco sobre a differença, dos films americanos dos europeus, disse-me mais uma ou duas vezes o tal comprenez vous delle e ...o meu supplicio linguistico chegou a termo.

   Desta vez aprendo o francez ou perco o nome! (Para todos, 19.8.1922)